Páginas

24 de out de 2014

O NASCIMENTO DE BHARDO



     Eu queria compartilhar um pouquinho do processo de nascimento e materialização do Mundo de Bhardo, até se tornar a história em forma de livro que é hoje.
     Como já contei, comecei a esboçar essa história aos 11 anos. Não foi minha primeira incursão no mundo da escrita; antes disso tinha escrito e ilustrado um pequenino livro infantil chamado "Os trilares", sobre alienígenas com cabeças em forma triangular que visitavam a casa de um menino à noite. Não me lembro bem da história, que devia ter cerca de dez páginas, mas me lembro que a aparência dos alienígenas era parecida com a de um robô. Tenho certeza de ter visto esse livrinho guardado entre as relíquias de minha mãe um tempo atrás... Quem sabe ainda não está com ela?
     Bhardo começou a se delinear em minha mente quando o canal em que passava o desenho animado de que eu mais gostava parou de funcionar na minha casa. Como qualquer criança eu fiquei frustrada, assistir TV era meu maior passatempo. Para extravasar, decidi que se eu não podia assistir ao desenho, eu mesma faria meu próprio desenho animado, seguindo aquele método de animação que desenha personagens em cantinhos da folha e que, passando-as rapidamente, se percebe o movimento (sim, eu achava que poderia, sozinha, produzir um desenho animado inteiro assim!)
     Obviamente, percebi muito rápido que eu jamais conseguiria tamanha proeza, mas não desisti dos personagens que já tinha imaginado. Mudei meus planos e, em um diário cor-de-rosa que tinha ganho de presente, decidi registrar minha história inventada, que era centenas de vezes mais interessante do que os causos da minha vida de criança.
     A história daquele diário é muitíssimo diferente desta que hoje apresento a vocês, e muito próxima do tal desenho animado de que eu gostava, tanto que, dela, só alguns poucos nomes de personagens foram mantidos. Mesmo assim, aquele diário cor-de-rosa foi crucial para mim, pois preenchê-lo com aquela realidade fantasiosa foi uma experiência tão prazerosa que se tornou viciante.
     Vou procurar o diário cor-de-rosa e o pequeno livrinho infantil sobre ETs com cabeça de triângulo. Se encontrá-los, postarei para vocês darem uma olhada. É impressionante o quão alto uma criança pode sonhar...
X

Nenhum comentário:

Postar um comentário